quinta-feira, 29 de maio de 2008

... eterna procura

Tanto tempo caminho pela vida
Tentando buscar o amanhã
Encontro nada mais que o dia de ontem
Procurando esquecer o que se foi
Sonhos perdidos, paraísos distantes
Tanta vida concentrada numa lágrima
Tanta dor traduzida num suspiro
Me faz crer que olhar pra mim mesmo
Faz tudo parecer sombrio
Meu local mais distante e escuro
Lá habita minha alma
Lá encontro meus fantasmas
Lá vivo meus pesadelos
Encontro a chave perdida
Que separa o ontem do hoje
E me faz perguntar pelo amanhã
A resposta está escrita
Na lágrima que secou
No tempo que se apagou.
Vivo, dia após dia
Buscando minha droga
Meu elixir da vida.
Assim vivo,
Caminho pela vida
Rastejo pelo tempo
Assim,
vivo apenas.

2 comentários:

xuxa 33 disse...

Celso querido!
Gratíssima surpresa prá mim encontrar em vc, meu amigo, um poeta. Agora + que nunca lendo suas palavras nostálgicas entremeando o ontem/hoje/amanhã sinto uma saudade repentina de não sei o que, de não sei de onde. Vc conseguiu mesclar com sua alma de poeta a saudade do passado, a desesperança do presente e a certeza de um futuro feliz...quem sabe(?)
Parabéns meu amigo, pela grata surpresa!
A revelação de sabê-lo um poeta me surpreeendeu de forma altamente positiva, admiro-o + ainda, pois as almas dos poetas trazem dons especiais inatingíveis aos simples mortais como nós. Sinto-me privilegiada em compartilhar dessa sua faceta que eu não conhecia.
É deveras um "Bad Wolf" da era moderna. Apenas lindos olhos te reportam ao personagem da estorinha infantil...de resto vc tem tudo de bom.
Desejo-lhe, cada vez, + luz para que vc possa sempre nos brindar com suas pérolas poéticas.
Paz!
Bjs!

Lica disse...

Querido amigo,
Simplesmente fantástico!!! A tua sensibilidade é algo indescritível e a forma sutil com que você arranja as palavras é um elixir pra que lê a poesia.
Parabéns....você me surpreende mesmo depois de 20 anos de amizade.
Beijo no teu coração...